Maik de Paula

Para muitos, esse cenário é parcialmente conhecido, sempre deparamos com essa situação. Todavia para alguns o final nem sempre será satisfatório.

Em um sábado após o jantar em um restaurante com sua família, em direção ao carro, aciona o alarme e todos entram. Você ainda fora do veículo é abordado por um “flanelinha”, se recusa pagar a quantia e o mesmo insiste levantando a camisa exibindo uma arma.

O QUE VOCÊ FAZ?

Independente de portar ou não uma arma, terá que tomar uma decisão. Reagir, ou se colocar a mercê do perpetrador.

Lembre-se você e sua família estão em risco! Suas atitudes certamente terá uma consequência.

Sendo um cidadão que anda armado, facilmente podemos dizer que suas opções se reduzem a duas, não reagir e acabar sendo identificado aumentando o nível da ameaça ou reagir de maneira adequada cessando e neutralizando a ameaça que foi apresentada.

Para essa reação adequada, existem algumas variáveis que fará bastante diferença na hora de definir o sucesso operacional. Entre essas variáveis, não iremos nos ater as que não controlamos como o ambiente, a ação do inimigo, sorte, etc. Devemos atentar as variantes controláveis por nós. Controlamos o psicológico, a condição física, condição técnica e por último não menos importante podemos controlar nossa condição equipamental, formando assim a tríade do sucesso operacional.

Para obter sucesso com a tríade operacional, precisamos estar alinhados com os três vértices:

1-EQUIPAMENTO

Este item é de essencial importância para o desempenho operacional. O suporte equipamental, como o nome já diz, é o sustentáculo do operador em suas ações. Cada item, cada acessório tem funções específicas como fornecer conforto, flexibilidade, proteção e ou qualquer outra valência para qual foi construído.

A escolha correta do equipamento irá maximizar a performance do operador evitando surpresas e insucesso em uma ocorrência.

2-TREINAMENTO

Precisamos de um treinamento relevante. É durante esse treinamento que o operador alia teoria a prática, o transforma em conhecimentos táticos que são adquiridos para utilizar quando se fizer necessário, fundamentando as ações dentro dos princípios que norteiam o uso da força e da legítima defesa.

3-HOMEM

Neste deve-se ter a maior disciplina, o maior cuidado, porque por meio das suas faculdades mentais advém sua capacidade de sintetizar e adaptar o treinamento a sua realidade. É exatamente neste quesito que ficará latente a diferença entre viver ou morrer, pois tudo é treinável ou provido por equipamentos, mas os seus hábitos, seu comportamento, sua atitude, dependerá da sua condição mental de defesa; e sua condição física de defesa, e essas duas torres dependem de sua mudança de comportamento, disciplina e motivação.

A tríade do sucesso operacional são as colunas que literalmente sustentam a vida de um operador. Não se deve nunca negligenciar nenhuma delas. Pode se ter o melhor treinamento, mas sem o equipamento adequado estará incompleto e vice-versa. O operador que pensa de maneira diferente a fim de justificar seu comportamento, está na hora de rever sua condição mental e física de defesa, a fim de se afirmar em tal condição ou partir para atividade onde suas valências de sobrevivência possivelmente NÃO serão testadas.

Maik de Paula - Policial Penal, pós-graduado em Gestão Pública e Segurança Prisional graduado em Educação Física, 16 anos dedicados à atividade de instrução de tiro. Alguns Cursos: Intervenção Tática Prisional - DPOE-DF, Técnicas Operacionais na Polícia Federal, “Combat Aguerrissement”, Paraquedista Militar na Legião Estrangeira Francesa, Segurança de Autoridades e CDC-CHOQUE - 1ºBPEB.

Contato: contato@xtbrazil.com.br / 31 99865-2422